Mercado

“Branquinho” mantém vendas mesmo na era digital

Hipóteses tentam mapear o porquê de o corretivo líquido aumentar participação em papelarias

 

O corretivo líquido, popularmente conhecido como “branquinho”, foi projetado para ajudar funcionários de escritórios a corrigir erros cometidos nas máquinas de escrever sem precisar recomeçar do zero.

E, se hoje em dia até o papel está sumindo dos escritórios modernos, as vendas de branquinho não caíram com o tempo. Embora outros produtos tenham sido criados com o mesmo objetivo, como é o caso das tiras de papel colante, os fluídos de correção nunca perderam seu lugar de destaque.

Uma das marcas mais famosas é a Wite Out, fabricada pela BIC desde 1971. De 2015 a 2017, a empresa informou que a participação dos corretivos aumentou de 5% para 9% nas papelarias.

Mas quem está comprando o líquido? Segundo a revista de publicidade norte-americana AdWeek, a resposta é curiosa: as vendas podem estar sendo impulsionadas por artistas que usam o fluido como tinta.

Outra hipótese, levantada por um porta-voz da BIC, seriam anúncios interativos do Youtube promovendo esses objetos como um artigo “vintage” na era digital.

 

Leia também: Tilibra é destaque em quatro categorias do Prêmio Melhores Marcas

 

Leia também: Livro ensina pais e professores a lidar com “crianças desafiadoras”

 

Fonte: Primeira Página

Redes Sociais