Notícias


Publicado em:
10
10/2018

Inovação versus eficiência

Em artigo publicado na Revista da Papelaria, especialista alerta que a eficiência operacional, tão importante para o crescimento de qualquer negócio, pode sufocar inovação nas empresas.



Metatags: Inovação, Eficiência, Neurotech, Revista da Papelaria

A tecnologia virou commodity. Ferramentas e algoritmos que há poucos anos pareciam obra de ficção científica agora estão disponíveis a qualquer um que esteja disposto a explorá-los. Por meio dessas tecnologias, que hoje demandam baixo investimento, e com um modelo de negócio acertado, é possível alcançar uma enormidade de mercado.

O surgimento de novos gigantes “do dia para a noite”, habilitados por essas novas tecnologias, tem servido de inspiração para empresas de todos os portes, ramos e idades. A ordem parece ser quase que unânime para todas: é preciso inovar! Esse é o mote da disrupção, termo abrasileirado do inglês disrup, que descreve inovações que oferecem produtos diferenciados e um novo modo de alcançar os consumidores, desestabilizando empresas até então líderes em seus segmentos.

O processo disruptivo atinge todos os setores e, impulsionado pelas novas tecnologias, acontece muito rápido. Quem não se atentar a este momento e não estiver disposto a fazer bom uso das ferramentas tecnológicas, vai perder mercado para outros.

Apesar da maioria dos empresários entender o momento atual, poucos se mostram preparados para realizar as mudanças no ritmo necessário. Existe uma ignorância – no sentido real da palavra – sobre como inovar. Cada um tenta fazer do seu jeito e, em geral, isso não funciona. A disrupção, portanto, precisa começar na estrutura da organização.

A mentalidade eficiência operacional, tão importante para a sobrevivência e para o crescimento de qualquer negócio, pode ser um dos assassinos da inovação. Quando se fala de tecnologia disruptiva, fala-se em tentativa e erro e, em uma empresa focada em eficiência a qualquer custo, não existe tolerância ao erro (ou ela é muito baixa). É aí que, geralmente, a administração da companhia sufoca os colaboradores.

Quase toda empresa surge de uma oportunidade em que a inovação é necessária ou fará a diferença. Em geral, quando essas empresas crescem, precisam manter o foco na eficiência. É, neste momento, que muitas acabam perdendo a habilidade de inovar. Isso ocorre de forma incremental e quase imperceptível, pois o desconforto original que levou à busca pela inovação se transforma em um desconforto operacional em busca de eficiência. Mas, neste mundo, não é apenas a eficiência que vai garantir a sustentabilidade, a rentabilidade e a perenidade dos negócios no futuro.

Fonte: Primeira Página, com artigo de Domingos Monteiro na Revista da Papelaria


Últimas notícias

Cinco dicas do Sebrae para quem quer abrir um e-commerce

Plano de negócio é o primeiro passo para os interessados.
Leia Mais

Natal deve movimentar R$ 53,5 bi na economia

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do Serviço de Proteção ao Crédito apontam que mais de 110 milhões de consumidores devem ir às compras e investir, em média, R$ 116 por produto.
Leia Mais

Quatro em cada dez brasileiros pretendem abrir um negócio até 2020

Na frente de países como Japão, Brasil entrou no ranking com Arábia Saudita, México, Índia, África do Sul e China.
Leia Mais